quinta-feira, 28 de novembro de 2013

DF: Rescisão de rodoviários pode ser resolvida logo

Após um dia de paralisação, rodoviários conseguem reafirmar com o governo compromissos mais concretos de transição, de forma regularizada, dos trabalhadores das empresas que não irão mais operar no sistema de transporte coletivo do DF. A primeira proposta, feita durante reunião no Ministério Público do Trabalho, indica um escalonamento das rescisões por fases, seguindo as bacias regionais, durante o mês de dezembro.

“Vamos no reunir amanhã (hoje) para encontrar uma forma de resolver a entrada das empresas novas de forma que os passageiros não sofram com a falta de profissionais e os trabalhadores também tenham seus direitos garantidos”, explicou Wagner Canhedo Azevedo, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do DF (Setransp) e dono da Viplan, uma das 12 empresas que perderam o contrato com o governo. Somente na empresa de Canhedo, a questão de três mil funcionários deve ser resolvida para que eles possam regularizar a rescisão a tempo de, no dia seguinte, entrarem novamente no sistema por outra empresa.

TAC

No ano passado, quando o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi assinado, as empresas que deixariam de transitar no DF confessaram que não havia recursos para acertar os pagamentos referentes aos direitos trabalhistas de todos os funcionários. Desde então, o governo se comprometeu a pagar as rescisões.

Para a categoria, essa decisão, regulamentada por lei, ainda não é o suficiente para garantir um processo de transição que não seja prejudicial aos rodoviários e principalmente aos passageiros. “O transporte não pode parar. Precisamos assegurar que o funcionário tenha o novo emprego sem precisar largar o trabalho antigo, senão os usuários ficarão sem transporte”, confessa João Osório, presidente do Sindicato dos Rodoviários.

Momento positivo

Osório disse que a paralisação de um dia foi um aviso para a sociedade e para o governo, mas reconheceu que o momento de negociação entre as partes interessadas é positivo. “Estamos estabelecendo um calendário que siga premissas de capacidade operacional para que cada rescisão possa ser feita de forma individual”, finaliza.

Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br