sexta-feira, 9 de abril de 2010

DF: Águas Claras reclama do transporte coletivo


Transporte público insuficiente, falta de paradas de ônibus e superlotação são reclamações de moradores de Águas Claras e trabalhadores que dependem da condução pública para chegar ou sair da cidade.Nas avenidas principais, aglomerados de pessoas esperam ônibus durante horas em pontos onde sequer há sinalização. O guarda-chuva serve, para alguns, de abrigo contra o sol e a chuva, enquanto os menos prevenidos aguardam o transporte público sem qualquer proteção.

A auxiliar de serviços Francisca da Cruz, de 28 anos, já foi à pé do centro de Águas Claras até o Taguatinga Shopping por causa da falta de transporte. "Eu moro no P Norte (Ceilândia Norte), estava tarde e o ônibus não passava", conta. A amiga Genilda Pereira, de 35 anos, também mora na Ceilândia e garante que já esperou ônibus até tarde, sem nenhum êxito. Genilda acorda todos os dias quando ainda está escuro para ir ao trabalho. "Às 5h já estou na parada esperando ônibus", enfatiza a mulher, que precisa pegar um ônibus da Ceilândia para Taguatinga e, depois, o metrô para chegar ao trabalho em Águas Claras. "Eu tiro do bolso o dinheiro da segunda condução porque a empresa paga apenas o valor de ida e volta". Segundo a auxiliar de serviços, no fim de semana a situação piora, porque o número de linhas é menor e o metrô funciona apenas até 19h. "Fica escuro, não tem parada de ônibus, é até perigoso ser assaltado".

Já Ismael Barbosa, de 45 anos, reclama da superlotação dos ônibus. Morador de Águas Lindas, o operário conta que o número de passageiros é maior do que o veículo comporta. "Os ônibus ficam muito cheios. A gente fica bem apertado no corredor, não dá para andar nem para se mexer".

Para o presidente da Associação de Moradores de Águas Claras, Júlio de Oliveira, a ineficiência do transporte público é um dos motivos para tantos engarrafamentos na Epia, via de acesso a cidade. "A cultura do carro é reforçada porque as necessidades das pessoas não são atendidas. Elas preferem usar o carro do que enfrentar chuva, lama, sol ou ficar horas esperando pelo ônibus". Segundo ele, a cidade foi concebida para ser atendida pelo metrô. "O problema é que o metrô tem horário e rotas limitadas e muitos ônibus não respeitam hora nem itinerário. As vans foram retiradas, mas até hoje não foram substituídas por ônibus ou micro-ônibus". O presidente da Associação garante que já se reuniu com a Administração de Águas Claras, a Secretaria de Transportes e até o Conselho de Segurança. "Esse problema eflete na segurança. A pessoa fica horas na parada escura, sem abrigo, uma presa fácil para bandidos".

JUSTIFICATIVAS

O Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) informou que atualmente 24 linhas atendem Águas Claras, assim como os ônibus que percorrem Ceilândia, Taguatinga e Recanto das Emas e passam pelo local. Segundo o DF- Trans, a demanda de transporte público na cidade foi avaliada por técnicos levando em conta os serviços do metrô.

O DFTrans avisou ainda que para criar uma nova linha os moradores devem organizar um abaixo-assinado. "A linha só é aberta se houver viabilidade financeira, isto é, uma demanda que justifique sua criação". Quanto às paradas de ônibus, a previsão é de que, até outubro, 39 sejam construídas em Águas Claras. Ao todo, 450 abrigos serão feitos em todo o Distrito Federal.

Fonte: Jornal de Brasília / http://df-bus.blogspot.com/2010/04/dificil-chegar-ou-sair.html