sábado, 20 de dezembro de 2014

DF: Avanços na Rodoviária do Plano Piloto são só o começo da gestão atual

Mais de 850 mil pessoas passam pela Rodoviária do Plano Piloto todos os dias. E é para este público que diversas melhorias têm sido feitas. Entre as principais mudanças estão as reformas nos banheiros, construções de fraldários e de um bicicletário; reforço na sinalização; colocação de totens de autoatendimento e de TVs; e conserto das escadas rolantes. A reforma do piso e os reparos no teto, orçados em R$ 26 milhões, também já começaram a ser feitos. Além disso, uma Central de Monitoramento, para aumentar a segurança dos usuários, está com inauguração prevista para a próxima semana.

Severiano Rodrigues da Silva, mais conhecido como Viana, está à frente da Administração da Rodoviária desde 2011, logo após a entrada do governo atual. Antes na administração do Terminal Rodoviário da Ceilândia, Viana foi convidado a assumir a gestão da rodoviária com a promessa de promover as mudanças necessárias.

“Desde então reformamos 12 banheiros, além de instalar chuveiros e duchas em todos eles. Colocamos 30 bebedouros e quatro fraldarios. Também consertamos as escadas rolantes centrais e instalamos um corrimão na escada fixa que fica entre elas”, conta.

Viana afirma que as obras para a reforma no teto, piso, substituição da parte elétrica e hidráulica já foram iniciadas. “Estamos tratando a ferragem e o concreto do teto para depois começar a trocar o revestimento. Não queremos gambiarras, precisamos de coisas permanentes e duráveis. A obra deve estar pronta em um ano e meio”, afirma.

Segurança

Além dos 33 PMs que fazem ronda no terminal diariamente, a sala de monitoramento deve ser inaugurada na próxima semana. “A sala já está equipada, com computadores e televisores. Será um reforço para a manutenção da segurança dos usuários”, afirma.

A instalação de um sistema de ar-condicionado central também está nos planos. “O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) já autorizou o fechamento do mezanino com blindex para a colocação”, afirmou.

Serviços estão mais próximos dos usuários

Severiano Rodrigues da Silva, responsável pela administração do terminal, destaca a transferência de 13 secretarias para a área da rodoviária como uma conquista. “DFTrans, Agefis, Corpo de Bombeiros, entre outros órgãos, possuem filiais aqui. Isso facilita muito a vida do cidadão”, acredita.

Uma outra obra polêmica afetará diretamente o vasto comércio de alimentação, vestuário, eletrônicos e até serviços de estética que se estabeleceu na rodoviária. A administração planeja transferir os quiosques do corredor central, próximo à entrada do metrô, para a parte de trás, perto das plataformas E e F.

“A ideia é desobstruir o corredor e facilitar a circulação dos usuários. Os donos de quiosques não gostaram muito, até entraram na Justiça contra o projeto, mas o Judiciário emitiu um parecer favorável à administração”, afirma. 

Solisvan Melo, supervisor da pastelaria Viçosa, reconhece as melhorias. “As escadas rolantes estão funcionando e os banheiros estão mais limpos”, relata.

Anazia Vieria, dona de uma banca de revistas, 75, elogia a comunicação com a gestão atual. “A administração costuma ouvir nossos pleitos e isso é benéfico”, afirma.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Goiânia: HP Transportes adquire 70 ônibus Mercedes-Benz

A Mercedes-Benz segue conquistando a preferência do mercado em renovações de frotas de ônibus urbanos de várias capitais. Isso acaba de se repetir em Goiânia, GO, com a aquisição de 70 unidades do chassi OF 1721 pela HP Transportes Coletivos, uma das mais tradicionais empresas operadoras do sistema de transporte de passageiros da cidade.

“Goiânia segue assim as mesmas escolhas feitas recentemente por capitais como Salvador e Vitória, que também optaram pelos produtos da nossa marca”, afirma Walter Barbosa, diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “O chassi OF 1721 é um campeão de vendas para o transporte coletivo urbano, destacando-se no mercado pelo reduzido consumo e baixo custo operacional, bem como pela robustez e resistência para encarar a operação severa do transporte coletivo urbano”.

A forte presença da marca nas renovações de frota em diversas capitais reafirma a liderança absoluta da Mercedes-Benz nas vendas de ônibus no País. “Detemos 70% de participação no segmento urbano acima de 8 toneladas, no acumulado de janeiro a novembro de 2014, com presença marcante nos sistemas de transporte coletivo de grandes regiões metropolitanas, como BRT e corredores exclusivos”, diz o diretor.

Considerando o mercado total de ônibus no Brasil, acima de 8 toneladas, a Mercedes-Benz mantém sua liderança destacada, com vendas de 11.704 unidades no acumulado de janeiro a novembro de 2014, o que resulta num market share de quase 50%.

OF 1721 oferece opções de suspensão metálica ou pneumática

O chassi OF-1721 da Mercedes-Benz é indicado tanto para o transporte urbano, como intermunicipal, rodoviário e fretamento. Ele foi desenvolvido para receber carroçarias de até 13,2 metros de comprimento, permitindo porta larga na dianteira (vão livre de 1.100 mm). O motor eletrônico OM-924 LA, com potência de 208 cv e torque de 780 Nm, proporciona economia de combustível e alto torque em baixa rotações.

Além da tradicional configuração de suspensão metálica, o chassi OF 1721 também é oferecido ao mercado com suspensão totalmente pneumática, elevando notavelmente o conforto a bordo, o que aumenta a satisfação dos passageiros e do motorista.

O sistema de freios é um grande destaque do OF 1721. A começar pelo Top Brake. Conjugado ao freio-motor convencional, este sistema exclusivo da Mercedes-Benz oferece ótimas vantagens para o cliente, como o aumento da durabilidade das lonas de freio, maior durabilidade dos pneus e maior eficiência na capacidade de frenagem. O ABS evita que as rodas travem durante o processo de frenagem, oferecendo maior estabilidade e dirigibilidade ao veículo em situações adversas.

Fonte: Mercedes-Benz

Goiânia: Concessionárias de transporte coletivo obrigadas a fazer melhorias no serviço, diz TJ

A Cooperativa de Transportes do Estado de Goiás (Cootego) e as empresas HP Transportes Coletivos, Rápido Araguaia Ltda. e Viação Reunidas Ltda. terão de se adequar à quantidade de viagens e horários estabelecidos pelas planilhas definidas pela Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC). Eles também terão de respeitar a quantidade máxima de passageiros por veículos. A decisão é da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás que, à unanimidade, seguiu voto do relator, desembargador Leobino Valente Chaves (foto) e manteve liminar deferida pelo juízo da 6ª Vara Cível de Goiânia.

A ação foi proposta pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) devido às manifestações populares que cobravam melhorias na qualidade do transporte público na capital. Segundo parecer da Procuradoria de Justiça, “chamamos atenção à informação colecionada na inicial de que as agravantes não estão cumprindo fielmente com os contratos de concessão, causando prejuízos a toda a sociedade goianiense”.

Inconformadas com a decisão, as empresas buscaram sua reforma, alegando impossibilidade jurídica, pois, segundo elas, “a operação desse serviço público essencial está sujeita a nuances próprias da atividade, sendo a maioria delas alheias à vontade e ao controle das concessionárias, as quais impactam negativamente no cumprimento regular de viagens, horários e, em conseqüência no nível de lotações”. Eles argumentaram que estão sujeitos às condições de tráfego, especialmente em horário de pico, “com aumento do número de veículos e saturação das vias, em prejuízo da velocidade e operacionalidade”.

O desembargador, no entanto, entendeu que a liminar deveria ser mantida, pois “se encontra suficientemente fundamentada, de acordo com os elementos probatórios e legislação respectiva, ante as fundadas denúncias relacionadas à deficiência do transporte público na capital, a exigir imediata melhoria”. O magistrado ressaltou a relevância do direito em questão (do consumidor) e observou estarem preenchidos todos os requisitos necessários à liminar.

As empresas também buscaram a exclusão da multa de R$ 5 mil para cada infração, fixada em primeiro grau, porque, por considerá-la “exorbitante” e ao argumento de que sua manutenção “as levará à falência, em prejuízo do usuário do transporte coletivo da região metropolitana”. O desembargador acolheu o pedido das concessionárias nesse ponto, excluindo a multa, porém resguardando “a possibilidade de nova fixação quando do julgamento do mérito da ação civil pública”. Veja a decisão.

Fonte: TJGO

DF: Empresas deverão instalar suporte para bicicletas nos ônibus

Os deputados distritais aprovaram em redação final, na noite desta quinta-feira (18), o projeto de lei n° 1.260/12, que determina às empresas de ônibus do transporte coletivo local que instalem suportes para bicicletas nos ônibus. De acordo com a proposição, de autoria do deputado Robério Negreiros (PMDB), cada suporte deverá ter capacidade de abrigar pelo menos três bicicletas, com travamento acionado pelo motorista.

Fonte: CLDF

Goiânia: Desvio temporário em quatro linhas de ônibus na Av. 24 de Outubro

A partir desta sexta-feira, 19, o trajeto das linhas 164, 305, 605 e 917 será temporariamente alterado no bairro Aeroviário, próximo ao Shopping Cerrado. Os desvios serão realizados em função da interdição de um trecho no final da Avenida 24 de Outubro para realização de obras da Saneago e devem durar 30 dias.

Linha 164 (T. Gyn Viva / Centro / Universitário)

Linha 305 (T. Rec. Bosque / Finsocial / Campinas)

Linhas 605 (B. da Vitória / Campinas / Centro) e 917 (Nova Esperança / B. Sayão / Praça Cívica)

Fonte: RMTC Goiânia

Goiânia: Redução de ônibus irrita usuários do transporte coletivo



Fonte: TV Serra Dourada

Entorno DF: Dívidas da Viação Anapolina chegam a quase R$ 34 milhões

Por Rafael Martins

A dívida da Viação Anapolina junto aos seus credores chega à cifra de aproximadamente R$ 34 milhões de reais. O edital com o quadro dos credores e seus respectivos valores foi publicado nesta quarta-feira (17) no Diário de Justiça de Goiás.

O valor da dívida corresponde somente aos credores habilitados.


Segundo o artigo 49 da Lei de Falências e Recuperação de Empresas (11.101/2005), estão sujeitos à recuperação judicial todos os créditos existentes na data do pedido, ainda que não vencidos.

Vale lembrar que o artigo 187 do Código Tributário Nacional, com a redação que lhe deu a Lei Complementar 118/05, estabeleceu que a cobrança judicial do crédito tributário não está sujeita a concurso de credores. A dívida tributária da empresa se resolve por via própria, qual seja, o parcelamento dos débitos fiscais, medida esta que não pode ser determinada pelo juízo da recuperação judicial, mas que deverá ser pleiteada pelo empresário ou sociedade empresária junto à autoridade fazendária, baseada em legislação especial.

A documentação pertinente à referida relação dos credores está, à disposição de todos os credores, do comitê, da devedora e dos seus sócios e do representante do Ministério Público, que terão prazo de 10 dias a contar da publicação do Edital, para analisarem os documentos utilizados nas habilitações administrativas, bem como, a respectiva escrituração contábil. O valor dos créditos daqueles que, convocados mas não compareceram, prevalece os mesmos informados nos autos pela devedora.